A Confissão frequente

A Igreja estabelece que nos confessemos todos os anos (havendo pecados mortais). Não indica, porém, quantas vezes o devemos fazer. Aconselha a Confissão frequente. Mas a frequência, o ritmo, o número de vezes, compete a cada um decidir.

A Confissão frequente tem várias vantagens. Vamos expor quatro, mas é possível que tenha muitas mais.

A primeira é a da memória: quanto mais afastado está o momento em que alguma coisa sucedeu, mais dificuldade temos de reproduzir com exactidão o que aconteceu. As faltas praticadas há mais de um mês esbatem-se no esquecimento e só permanecem vivas as que ainda nos ferem, quer pela sua gravidade, quer pelas suas consequências.

A segunda é a da delicadeza: quanto mais frequente a Confissão, mais a pessoa encontra matéria para se arrepender. Quando a frequência é espaçada, tende-se a prestar atenção àquilo que é grande ou grave e a desprezar aquilo que é pequeno ou subtil. Mas todos temos experiência de que há ofensas pequenas e subtis que nos magoam mais do que outras mais descaradas. A delicadeza com Deus leva a reparar nas primeiras.

A terceira é a do conhecimento próprio: quanto menos nos confessamos, menos olhamos para o nosso interior em busca do que não está bem e necessita de uma correcção. A frequência da Confissão acaba por nos mostrar quem realmente somos. Pode acontecer que nos pareça que estamos sempre na mesma, e que os pecados se repetem de uma Confissão para outra. No entanto, se há delicadeza, eles não são exactamente os mesmos, e, de um modo que não percebemos mas que é real, a alma progride e melhora.

E a quarta é a paz e a graça: a Confissão produz o efeito de confirmar a alma na sua luta pela santidade e dá-lhe, ajudas chamadas graças, que se orientam precisamente para as faltas de que se acusou. Quando nos confessamos com alguma frequência experimentamos esse aconchego de Cristo, que nos chega pelo sacerdote e voltamos à luta com forças renovadas. Ora nós necessitamos deste auxílio mais do que uma vez por ano. Sem ele, a nossa luta torna-se muito solitária e é fácil que entre a tristeza e o pessimismo. A Confissão frequente renova a paz e a alegria interior.